29
Abr
2015

FIRJAN realiza seminário sobre alternativas para o gerenciamento de recursos hídricos

Nesta quarta-feira, dia 29 de abril, foi realizado na sede do Sistema FIRJAN o seminário “Alternativas para o gerenciamento de recursos hídricos: a experiência de São Francisco, Califórnia”. O evento contou com a palestra de Paula Kehoe, diretora de Recursos Hídricos da Comissão de Utilidades Públicas de São Francisco, na Califórnia, estado que sofre há quatro anos com uma severa seca sem previsão de terminar.

Segundo ela, é preciso buscar maneiras alternativas para que a gestão da água seja eficaz e, para isso, o diálogo com a população é fundamental. “Não dá para confiar nos recursos atuais disponíveis, temos que ampliar o portfólio. A questão da água é muito difícil e só é possível enfrentá-la com a participação de todos. É preciso planejar e implementar continuadamente”, disse Paula Kehoe, que frisou que a instituição em que trabalha monitora novas fontes de água para os próximos 20 anos, pensando em períodos normais e de seca.

Algumas das medidas adotadas na cidade californiana que foram citadas pela especialista são: não lavar ruas e calçadas, telefone público para denúncias contra desperdício de água, combate rápido a vazamentos em tubulações, reúso de água dos vasos sanitários, restrições para uso de recurso hídrico para irrigação, reutilização de água potável, dessalinização e uso de águas subterrâneas.

A abertura do seminário foi feita pelo presidente do Conselho de Responsabilidade Social do Sistema FIRJAN, Luiz Chor. “Nós entendemos que se não enfrentarmos esse problema a demanda por água será maior que a oferta. Entendemos que a população e as empresas devem usar esse recurso de forma racional. É preciso analisar o cenário e propor caminhos. Antes de racionar é necessário racionalizar”, disse Chor.

O evento, que também contou com a presença do Cônsul Geral Interino dos Estados Unidos no Rio de Janeiro,Michael Yoder, também promoveu uma mesa de debates. Os participantes foram: Décio Tubbs, presidente do Conselho Estadual de Recursos Hídricos, Paulo Carneiro, pesquisador da Coppe/UFRJ e Percy Soares, coordenador da Rede Indústria de Recursos Hídricos da CNI.

O seminário foi uma realização do Consulado dos Estados Unidos no Rio de Janeiro em parceria com o Sistema FIRJAN, através da Assessoria de Responsabilidade Social e da Gerência de Meio Ambiente.


Serviço para as empresas

O Sistema FIRJAN acompanha as questões hídrica e energética de forma bastante atenta e oferece a suas empresas associadas alguns serviços para que elas possam lidar com os recursos de forma mais eficiente.

Por meio do SENAI Rio, o Sistema FIRJAN lançou, em abril, o Diagnóstico de Eficiência Energética para Micro e Pequenas Empresas, com o objetivo de auxiliar as empresas fluminenses a elaborar planos para melhoras a eficiência energética. O Programa faz parte do documento “Propostas do Sistema FIRJAN para enfrentar a crise elétrica e garantir o suprimento de energia no curto, média e longo prazos”, entregue em fevereiro ao ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.

Em parceria com o SEBRAE-RJ, o Sistema FIRJAN desenvolveu um Manual de Conservação e Reúso de Água na Indústria, para proporcionar orientações básicas para o desenvolvimento e a implantação de planos de uso eficiente do recurso hídrico.Com as devidas adaptações, as etapas apresentadas no manual permitem a formulação de um plano para qualquer tipo de indústria.

Já o SESI Rio, criou uma ação de conscientização e educação para que as empresas incentivem a economia de água e energia entre seus funcionários e que a comunidade possa se tornar multiplicadora de boas práticas no consumo desses dois recursos. Foram criados Kits de Mobilização, contendo cartazes e lâminas que oferecem dicas de economia, além de adesivos que alertam sobre desperdício de água e de energia.